Adobe

 

Adobe

Freehand MX

Ajuda online do Freehand no site da Adobe,
Manual sobre o Freehand, do site manualslib.com.

Pincéis para Adobe Illustrator

Exemplos e download (baixar)

Adobe Muse Tutoriais e links Úteis

Tutoriais em texto e imagem (Tutoriais oficiais Adobe)

Tutoriais em vídeo (Adobe TV)

MuseBR: site fundamental para quem trabalha com MUSE

Pequenas grandes dicas sobre Adobe Muse, frutos de minha observação do software ou de pesquisas na internet:

Versão 3.2 build 2

  • Crie estilos sempre que formatar uma página HTML no MUSE; isso evita de o Muse criar estilos para cada parágrafo (gerando folhas de estilo menores, agilizando o carregamento da página)
  • O muse cria folhas de estiulo para CADA página HTML de seu site. Além disso o Muse normalmente coloca as imagens inseridas nas páginas HTML na pasta images mas aparentemente você tem de atualizar o arquivo do MUSE (.muse) e exportar para HTM, a fim de que as imagens apareçam no site (ou página).
    Nem sempre apenas copiar  a imagem atualizada para a pasta images vai atualizar a imagem no HTML.
  • Iframes:
    • Para inserir um Iframe (Inline Frame, quadro em linha, ou quadro/outra página dentro de uma página HTML) basta copiar o código do seu Iframe e colar dentro de sua página do Muse. O programa cria automaticamente o Iframe em modo visual (ou gráfico) para você.
    • Iframes com fundo colorido podem não exibir informação dinâmica (escrita na página por programação) ao visualizar a página no navegador ou ao imprimir.
    • Iframes sem fundo colorido irão exibir informação existente por trás dele, no navegador, ou ao imprimir a página.
  • Para aplicar um modelo diferente para cada página basta ir no modo Plan(ejamento) do Muse, clicar na miniatura da página com o botão direito do mouse e escolher Masters (páginas-mestre); ali escolha o modelo de página desejado.
  • Para fazer link/âncoras internas (ou links de ancoragem) no MUSE
    – Tutorial 1 (texto e imagem):
    Trabalhar com links de ancoragemVincular links de ancoragem a uma página
    – Tutorial 2 (videoaula)

    • – Resumo dos links acima, sobre links/âncoras no Muse:
    • no modo Design do Muse procure no topo direito da tela o botão com desenho de âncora;
    • o cursor irá tomar forma de âncora; clique no local desejado da página (abaixo do topo da tela) para fazer o destino do link (ou âncora) e nomeie sua âncora (ex.: ancora1)
      Observação: você pode clicar mais de uma vez no botão de âncora e clicar na página várias vezes, criando várias âncoras de uma vez só.
    • digite no topo da tela uma palavra (ou selecione uma imagem) que seria seu link (ou  âncora) de origem;
    • vá a segunda barra de ferramentas, opção links, caixa de lista e procure o nome da âncora criada (neste exemplo, ancora1) e selecione;
    • entre no modo Preview/Previsualizar do Muse e faça um teste: clique no link/âncora de origem e veja se a tela rola até o destino.
  • Tabelas no Muse: até a presente data (agosto/2014) o Muse não suporta tabelas, seja para criar ou importar. Segundo alguns rumores as próximas versões darão suporte a esse recurso.
    No momento, se precisar inserir ou importar tabelas no Muse você precisa

    • copiar o código HTML dessa tabela (*)
    • ir em Object > Insert HTML
    • colar o HTMl da tabela e dar Ok (**).
    • a tabela deverá aparecer conforme foi criada(***);
      Notas:
      (*) código gerado manualmente ou em algum editor de código, como o DreamWeaver.
      (**) esse processo é demorado, dependendo do tamanho de sua tabela; por isso não inclua formatação no HTML além da largura e altura das células, ao gerar o código.
      (***) se você redimensionar o quadro (caixa) que contêm a tabela o Muse eventualmente irá exibir apenas um quadro vazio, com uma tarja roxa no topo escrito “HTML”; a tabela irá aparecer apenas no modo Preview/Pré-visualizar do Muse ou no navegador.
  • Entidades HTML no Muse
    O Muse não dá suporte a diversas entidades HTML como linhas horizontais, se focando em recursos visuais mais atuais como painéis, galerias de imagens, menus e formulários.
    Se precisar inserir uma entidade HTML, como uma linha horizontal (marcação/tag


    ) no seu layout, um caminho rápido é ver se há um equivalente na interface do Muse e aplicá-lo na sua página (*).

  • Para inserir uma Linhas horizontal/separador, <HR> no Muse
    Como diversas fontes (AdobeYouTube) citam na presente data (agosto 2014)

    • no modo Design do Muse, selecione a ferramenta de retângulos;
    • desenhe um retângulo de 1 pixel de altura (com a largura desejada) sem linha de contorno e com preenchimento
    • posicione essa linha no seu layout (inline, sobre o layout, dentro de um container ou fixa na página) (*)
      Nota(s):
      (*) inline (dentro da linha de texto)  sobre o layout (posicionamento absoluto), dentro de algum container (área do layout que seja o equivalente a uma DIV) ou fixo na página.
      Criarei um tópico sobre esses assuntos em breve.
  • Se a visualização de página(s) HTML(s) do MUSE apresentar problemas, do tipo aparecer com altura maior do que o diagramado (e elementos fora da posição), resolva assim:
    – selecione textos da página (títulos, p.ex.), clique com o botão direito do mouse e verifique se a opção “Footer item” está marcada (se não estiver, marque)
    ou
    – vá em Page > Page properties e desmarque Sticky footer
    para que os elementos fiquem posicionados dentro do layout.
    Importante: escolha uma opção ou outra: as duas ao mesmo tempo podem não funcionar.
  • Definindo a posição dos elementos na página do Muse
    O Adobe Muse possui as opções “Footer”, “Pin” e “Sticky Footer” para fixar os elementos da página (em HTML seria algo como posicionamento relativo e absoluto), seja com rolagem da página ou em página sem rolagem.
    Tenha como regra geral:
    Menu Page > Page properties > Sticky footer (tradução livre: colado na página): fixa todos os elementos da página (em HTML, posicionamento relativo = em relação a posição na página)
    Painel de controle/Control panel > Footer: fixa um único elemento a posição da página
    Painel de controle/Control panel > Pin (preso, fixo): fix um único elemento á posição na tela do navegador (mesmo com rolagem de tela, em páginas verticais, longas
    Links sobre esse assunto:
    http://www.adobe.com/eeurope/products/muse/pin-to-browser.html.modalpage.html (explicação rápida)
    http://helpx.adobe.com/muse/using/creating-website-mobile-devices.html (explicação detalhada)
    http://tv.adobe.com/watch/muse-feature-tour/muse-pin-objects-to-the-browser-window (videoaula explicando na prática)
  • Arquivos do MUSE e arquivos do site
    – O muse trabalha com arquivos de projeto (.MUSE) e arquivos do site (.HTML)
    – O Adobe Muse sempre salva as imagens inseridas no projeto numa pasta, normalmente “images/imagens”.
    Portanto, crie pastas de PROJETO dentro do seu site com arquivos que vai usar apenas para o MUSE; ao exportar o site para HTML as imagens serão copiadas para a pasta padrão (“images”/imagens). Você não precisa enviar (fazer FTP) de “pastas de projeto”.
    – Se quiser diferenciar pastas do MUSE do seu site, (a) coloque um sinal no nomes destas pastas de projeto (ex; _pastaDeProjeto) ou (b) crie pastas separadas para o MUSE (*.MUSE) e para o site (*.HTML). Ex.: pastas com paginas HTML do site, nomeie como “NomeDoSite”; pastas com os arquivos do Muse, nomeie como “NomeDoSite-PROJETO”
    – O Muse não utiliza as pastas que você cria (com fotos, por exemplo) ao exportar páginas para HTML ou fazer Upload/envio do site para um servidor (internet).
    Ex.: se você cria o diretório
    novas-fotos/foto-nova-1.jpg
    ao exportar pagina para HTML (ou fazer Upload na internet) a imagem será copiada para
    images/foto-nova-1.jpg
    O Muse utiliza as pastas que você cria quando você cria páginas com links para arquivos que serão baixados (.pdf, .zip, .doc, p.ex.)
  • Ícones de alerta no painel Assets do MUSE
    O painel Asstes do Muse (que lista os elemento inserido no seu projeto de site/página) eventualmente irá exibir ao lado do nome do arquivo selecionado um ícone quadriculado (como um tabuleiro de xadrez colorido) com um sinal de exclamação, dentro de um triângulo; isso significa que a imagem está maior (largura e altura) no seu computador do que no projeto do Muse. Resolva a questão apagando e reinserindo a imagem.
    Esse link explica/ilustra o problema.
  • FTP/envio de arquivos para a internet: você pode atualizar o seu site feito no MUSE, na internet, usando o menu File/Arquivo > Upload to FTP host/Enviar para hospedagem por FTP;
    – neste caminho a atualização se fará de modo mais demorado pois o MUSE envia todos os arquivos modificados (paginas HTML + arquivos dependentes) e relacionados (vinculados a[s] pagina[s] midificada[s]).
    – se desejar atualizar mais rápido, basta usar um programa de FTP em separado (Filezilla ou CyberDuck, p.ex.) e enviar a(s) página(s) HTML modificadas, mais a pasta CSS e image do seu site, para a internet.
    Se tiver paciência, basta enviar os arquivos relacionados para os respectivos diretórios:
    a página HTML (ex.: pagina-1.html) +
    o arquivo de folha de estilos (ex.: CSS/pagina-1.css) +
    a imagem da página (ex.: image/nome-da-imagem.png)
  • Excluindo página da exportação em HTML:
    Clique com o botão direito do mouse sobre a página desejada;
    desmarque Export page
  • Observações sobre opções em File > Upload e Export:
    – Quando se usa a opção em File > Upload to FTP host no Muse ele envia arquivos de seu site para o servidor na internet, mas não gera os arquivos HTML no seu computador (pasta local).
    – Use a opção em File > Export as HTML para gerar os arquivos/páginas HTML em seu computador, apenas (sem enviar para a internet).
    muse-mac-ftp
    Link relacionado (em inglês) do fórum da Adobe.
  • Links para download de arquivos: Adobe Press > What’s New in the 3rd Quarter 2012 Update for Adobe Muse > Asset Upload (inglês)
  • Incluindo arquivos em sua página (código HTML): Adobe Press > What’s New in the 3rd Quarter 2012 Update for Adobe Muse > Other Improvements > Add Files for Upload (inglês)
  • Formatos de vídeo no MUSE: fórum da Adobe (inglês)
  • Inserindo imagem de fundo em página do Muse:
    Link 1 (introdução ao assunto; imagem de fundo lado a lado)
    Link 2 (imagem de fundo em página mestre)
  • Introdução a Widgets no Muse
  • Criando menus com Widgets do Muse
    Link 1
  • Criando páginas sem adicionar ao menu de navegação
    No modo Plan(ejamento) do Muse, clique com o botão direito do mouse sobre a página desejada;
    escolha uma das opções:
    menu options
    > exclude page from menus (remove a página do menu de navegação)
    > include page with hyperlinks (padrão: inclui a página no menu com link)
    > include page without hyperlinks (inclui a página no menu sem link
  • Arquivos XML no Muse
    • SiteMap.xml: Este arquivo contém um mapa do site (links para todas as páginas e arquivos de seu site); ele é ideal se seu site fork hospedado numa hospedagem fornecida pela Adobe (Adobe Business Catalyst) pois é atualizado automaticamente ao ser enviado para esse tipo de hospedagem, sem usar a opção Export as HTML/Exportar como HTML.
      Esse arquivo pode ser editado, caso queira que ele contenha apenas os links que deseja que os buscadores (Google, Yahoo, Bing) INDEXEM/LOCALIZEM EM SEU SITE
      Links relacionados (em inglês): ajuda online da Adobe,
    • Manifest.xml: Esse arquivo contém relação de páginas que foram atualizadas recentemente, para que o Muse possa atualizar apenas as páginas modificadas, quando utilizar a opção File > Upload to FTP Host (FTP/envio do site para a internet).
  • Página-filha e página irmã (child page e sibling page):
    Páginas-filhas/Child pages são sub-páginas (dentro de um menu de navegação, seriam sub-menus); páginas irmãs/sibling pages são páginas que aparecem no mesmo nível do menu de navegação (lado a lado).
    Links relacioinados (inglês): Adobe Press.com (adding slibing pages).
    muse-pagina-filha-irma
  • muse-pagina-filha-irma-2

Indesign – links, dicas e tutoriais úteis

Problemas com excesso de tipos/overset text

O Indesign CS6 tem um bug/problema que ocorre quando um quadro de texto recebe mais texto do que pode caber: o quadro de texto fica com grandes áreas vazias, e o texto continua no quadro de texto vinculado, seguinte (apesar se a Adobe dizer que o problema pode ocorrer até em um único quadro).

O quadro de texto problemático exibe bordas vermelhas grossas para indicar o problema, e o editor de matérias exibe bordas na fronteira dos parágrafos afetados com a frase “type thread/excesso de tipos”.

Até a data de hoje 9.2.2016 a ajuda on-line da Adobe  (em inglês) dá como sugestão apagar o texto excedente no editor de matérias.

Encontrei uma forma de como resolver parcialmente o problema:

  • copiar o texto com problemas

  • criar um quadro de texto maior do que o texto a ser inserido

  • colar o texto ali

Isso resolve se o quadro de texto não for quebrado/vinculado a outro. Se tiver de quebrar o quadro de texto o problema volta a existir.

Não achei solução definitiva, pelo visto o problema persiste na versão CC (a ajuda nesta data é desta versão e cita o problema). Quem tiver solução melhor, por favor poste nos comentários.

Links relacionados:

Edição de texto e ícones de texto não imprimíveis no Indesign:

https://helpx.adobe.com/indesign/using/editing-text.html

Texto vinculado/text thread e fluxo de texto/text reflow:

https://helpx.adobe.com/indesign/using/threading-text.html

Como abrir e converter arquivos em diferentes versões do indesign

Dica traduzida (e resumida) do site Stokes Design.

O Indesign conseguiu criar um formato de arquivo “universal” entre versões do próprio Indesign, o .IDML (InDesign Markup Language) que parece ser uma espécie de MSHTML (HTML da Microsoft), um arquivo que contém todo o conteúdo da publicação, mas num formato que pode ser lido e aberto entre várias versões do Indesign, sendo que, o que não for pertinente à versão anterior ou é descartado/ignorado ou é acrescentado de uma forma que a versão em questão possa apresentar.
A Adobe realmente acertou a criar um formato de arquivo (que parece ser XML ou HTML) para gerar arquivos para versões anteriores.

Fica a dica, para quem produz trabalhos no Indesign: salve sempre duas versões, uma no formato INDD (da sua versão do InDesign) e outro IDML.
Não fazer isso implica em pagar serviços online para fazer a conversão ou manter e instalar versões TRIAL/de demonstração de versões anteriores do Indesign apenas para fazer essas conversões.

Em tempo: versões mais antigas da linha CS (CS4 até CS)  tem formato próprio para esse fim, o INX.

 

Problemas com instalação de programas Adobe (ou com o Adobe Creative Cloud)

Programa Adobe que instalava, mas agora não instala mais.

As versões novas dos Sistemas Operacionais (S.O.) estão cada vez mais restritivas no tocante a uso de software “não instalado” (o que é um problema para programas portáteis ou programas livres/gratuitos portabilizados). Isso vale também para programas antigos, que rodavam há duas ou três versões atrás de seu S.O atual.
Infeizmente o MAC sempre foi assim (mudou a versão do S.O. você tem que correr atrás de programas para essa versão nova, abandoná-lo ou migrar para outro). O Windows (versão Vista em diante) está cada vez mais assim.

O programa Adobe Creative Cloud e programas que vêm junto com a sua instalação monitoram os programas Adobe instalados em seu micro, instalações de novos programas Adobe e enviam informações sobre programas Adobe instalados seu computador, à Adobe.

Por isso, pode acontecer de você não conseguir instalar um programa Adobe “antigo” em seucomputador.
Assim sendo, se for instalar um programa da adobe que não seja do pacote Adobe Creative Cloud, verifique se os programas Adobe Creative Cloud e Adobe IPC Broker (leia texto a seguir) não estão sendo executados em seu computador: abra o Gerenciador de tarefas (no MAC, Monitor de atividades) e na dúvida termine todos os processos Adobe que porventura estiverem abertos.

Observação: não descarte a presença do anti-vírus, do FireWall ou ausência de conexão de internet: o caso do programa pode ser visto como um “falso vírus” ou ter instalação parcial pela internet.

Problemas ao instalar o Adobe Creative Cloud Desktop (ACCD)

O ACCD são os softwares Adobe distribuídos online, mas instalados no computador.

Se ao instalar o ACCD aparecer a mensagem de erro (Error no.1/Erro número 1) faça o seguinte:

  • feche todos os programas Adobe
  • abra o gerenciador de tarefas (*) de seu computador e termine os processos Adobe que porventura estiverem abertos
  • baixe e instale o programa Adobe Application Manager (nesta data – 04/20134 – a última versão é a 8.0) para atualizar o instalador de programas da Adobe em seu micro.

Se não funcionar,

  • desinstale todos os programas adobe no seu computador (Adicionar/remover programas do Windows, p.ex.)
    e/ou
  • use o programa Adobe Creative Cloud Cleaner Tool para remover todos os programas adobe (basta executar o programa que roda em modo texto, responder que o idioma desejado é inglês e responder ALL e Yes para todas as opções).

Você provavelmente vai ficar sem o Flash Player e Adobe Reader, mas vai poder reinstalar o ACC sem problemas.

(*) Se você usa MAC  é o Monitor de atividades/Activity monitor (pasta Aplicativos/Utilitários ou teclas CMD/Command + barra de espaços para abrir o Spotlight/(sem tradução para português) e digitar “Monitor de atividades”) ou Forçar encerrrar aplicativos/Force Quit (CMD + Option + Esc);

AdobeIPCBroker

Adobe Creative Cloud Desktop (softwares da Adobe distribuídos online, mas instalados no computador) instala um programa chamado Adobe IPCBroker que cria pelo menos dois procesos ao iniciar meu Windows.

Fui pesquisar e achei essa discussão no site da Adobe e uma explicação sobre o que seria esse IpcBroker (Inter-Process Communication Broker, teoricamente uma camada de proteção do software contra malwares e vírus).
O que a Adobe não explica é o comentário de um dos participantes do fórum de usuários da Adobe:

“Eu estou vendo o tráfego de rede no meu Windows 7 Laptop usando uma ferramenta chamada “Wireshark”.
Aproximadamente a cada 30 segundos um processo chamado “AdobeIPCBroker.exe” envia de dados criptografados com um comprimento de cerca de 1 a 1,5 kb para um Adobe Server (do IP: 184.73.196.194 / 184.72.243.134 / 54.225.235.210) via TCP / TLSv1 protocoll usando A porta 443.
O que é transmitido nestes dados? É necessário tê-lo funcionando o tempo todo?
Se eu tentar matar o processo “AdobeIPCBroker.exe”, o processo será reiniciado automaticamente alguns segundos depois e envia dados para o servidor Adobe como antes.”

Podemos supor que o programa envia dados relativos a

  1. pirataria de produtos Adobe naquele computador
  2. programas já instalados
  3. uso, atualização ou configuração dos programas instalados
  4. alguma informação pessoal não identificada.

Enfim, um dos membros da discussão sugere renomear o arquivo Adobe IPCBroker .exe (ou adobeipcbroker.exeXXXX -> XXX = valores em hexadecimal) para adobeipcbrokerNotSoFastMatey.exe ou adobeipcbrokerHangOnASec.exe (leia a discussão na web para mais detalhes).

Enfim, essas informações são úteis se seu computador estiver travando por algum motivo inexplicável após a instalação – ou tentativa de instalar – de um programa Adobe CC.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: